Sugestão de Ações

Autarquias e outras entidades locais

1. Dar nomes e rostos aos números

Iniciativas que deem nomes e eventualmente rostos aos números de mortos da pandemia (ou por causa dela) de cada comunidade, mediante, por ex.:

  1. Um mural onde cada um possa escrever ou colar um papel com o nome de familiares ou amigos que faleceram;
  2. Um mural de corações que cada qual pode desenhar, pintar e legendar
  3. Usar uma t-shirt branca e escrever ou colar nela um nome significativo.

2. Uma hora de memorial

  1. Convocar a comunidade para um espaço amplo onde se possa colocar uma vela acendida por cada pessoa falecida (ao fim do dia).
    Este ato pode ser acompanhado ou substituído por:
  • Um tempo de silêncio em memória das vítimas
  • Um círculo humano
  • Performance de dança evocativa
  • Sessão de poesia, inspirada na ideia de memória e de esperança;
  • Atuação de grupos ou bandas de música
  • Toque dos sinos e/ou das sirenes dos bombeiros;
  • Atuação de coros, procurando pôr os presentes a cantar;
  • Construir um ramo gigante com a flor que cada pessoa trouxer.

3. Outro tipo de iniciativas locais

  • Cerimónia interconfessional;
  • Atos religiosos celebrativos, oferecidos pelas confissões religiosas locais
  • Criação de um espaço mural onde os fregueses possam escrever frases curtas condensando as suas expectativas, desejos e vontades para o tempo pós-pandemia
  • Exposição de trabalhos de crianças sobre como viram a pandemia;
  • Exposição de trabalhos escolares, de instituições de terceira idade, universidades seniores, etc, de sobre a pandemia;

Observações:

  • É desejável que, sendo possível, numa mesma localidade, se procure articular as diferentes iniciativas;
  • As iniciativas podem estar concentradas num só dia do fim-de-semana de 22-23-24 de outubro ou ocupar mais de um dia;
  • É desejável que haja iniciativas locais a pensar na participação de todos;
  • É importante registar as atividades locais no espaço a tal destinado no site memoriaeesperanca.pt
  • Quando se usa aqui o termo ‘local’, refere-se o município ou/e a freguesia.
Cultura
Escolas

NOTA PRELIMINAR

O País recebeu com entusiasmo a iniciativa de cem cidadãos para que todos participemos na jornada de memória, luto e afirmação da esperança, que se realiza de 22 a 24 de outubro próximo.

A iniciativa, que se vai traduzir numa multiplicidade de ações ao nível de cada comunidade, pretende fazer memória das vítimas da pandemia do Covid-19 e homenagear todos quantos se entregaram ao atendimento dos que foram contagiados.
São duas as mensagens a reter: há vidas e pessoas por detrás dos números e das estatísticas, sendo que de muitas delas nem sequer pudemos fazer o luto; por outro lado, há aprendizagens que fizemos nestes 18 meses, que queremos reter e traduzir em ação no futuro.

As escolas foram um dos terrenos em maior evidência nesta pandemia. A experiência de confinamento foi uma prova especialmente dura para as crianças e os jovens e representou um desafio de grande envergadura para todos os agentes educativos.

Esta experiência envolve questões fundamentais da existência individual e coletiva e desafia dimensões fulcrais de aprendizagem da cidadania. Nesse sentido, constitui um motivo excelente para trabalhar pedagogicamente preocupações e objetivos que constam da Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania.

Faz sentido, por isso, que as escolas, com os seus alunos, professores, pessoal não docente, pais e encarregados de educação e outros parceiros externos do projeto educativo, se organizem, nas condições que seja possível reunir, para participarem nesta jornada cívica nacional.

É para esse fim que este breve documento pretende dar um contributo, propondo algumas sugestões e um itinerário. Em cada contexto os atores educativos saberão encontrar as formas mais criativas para fazer dessa participação um tempo de aprendizagem e de vivência ativa da cidadania.

OBJETIVOS

  • Participar numa iniciativa que envolve toda a sociedade, que visa recordar os que morreram, os que sofreram, bem como os que trabalharam e lutaram para que superássemos a pandemia com sucesso. Ao mesmo tempo, visa aprender com as experiências vividas e ganhar balanço para construir um futuro melhor, mais justo e solidário.
  • Valorizar as histórias, aprendizagens, pontos de vista e os sonhos que as crianças e jovens fizeram desta pandemia. O mesmo se diga de outros membros da comunidade escolar e das escolas enquanto tal, que foram um dos cenários em que se evidenciaram algumas das grandes questões da pandemia, como, por exemplo, as desigualdades sociais e culturais.
  • Envolver todos os membros da comunidade escolar e promover a qualidade nas manifestações e atividades; dando sentido e horizonte ao que a escola e a comunidade viveu no período da pandemia.

 

TIPOLOGIA DE PROJETOS/ATIVIDADES

(Esta proposta admite que o projeto envolva as três etapas ou apenas uma ou duas delas)

1. Projetos de reflexão e estudo

  • [Projetos a realizar colaborativamente até a 22 de outubro]
  • [Adaptados aos diferentes grupos e contextos – ver tópicos abaixo]
  • [Pesquisa e produção de materiais em linguagens diversas: escrita, desenho, gráficos, cartazes, pequenos vídeos e podcasts, slide shows, performances, músicas…]

Tópicos possíveis:

  • [A pandemia em Portugal e no Mundo: dados, casos, testemunhos, gestos…]
  • [As vacinas: a ciência; o papel do dinheiro público; as patentes; desigualdades]
  • [ A pandemia, os media e nós: as redes sociais, a TV, o ‘zoom’, outros media]
  • [Criatividade na pandemia: músicas, performances de vizinhança]
  • [Os não confinados: para combater a pandemia; para ganhar a vida e manter o país a funcionar: desigualdades]
  • [Significado da COVAX e a solidariedade entre países norte-sul]
  • [Como vivemos, o que sofremos e o que aprendemos da pandemia]
  • [E depois da pandemia: o que não queremos; o que desejamos].

2. Memorial digital que dê voz aos alunos, professores, pais, e pessoal técnico. Será apoiado com os materiais, produzidos em 1.
Documento a permanecer no site da escola ou agrupamento.

3. Sessão Memória e Esperança no dia 22

  • Tempo de silêncio
  • Apresentação do Memorial
  • Depoimentos selecionados
  • Performance (sugestão: e depois da pandemia: o que não queremos; o que desejamos)

 

Outras possibilidades de ações:

4. Floresta Memória & Esperança

  • A ideia é plantar árvores autóctones que fiquem a simbolizar as pessoas do agrupamento ou/e da comunidade que morreram direta ou indiretamente por causa da pandemia.
  • Havendo condições, poderia ser a replantação/arborização de um terreno público ardido num incêndio ou abandonado ou, existindo condições, no próprio recinto da escola – plantar uma, duas, três árvores, talvez por anos: jardim de infância, 1º ciclo, 2º ciclo, 3º ciclo, secundário… preparar sinalizadores para essas árvores … (alunos de 1º ciclo, agrupamento tal e tal…).
  • Esta sugestão vai / pode ser feita também a outras entidades, como as autarquias, que deverão ter um papel num projeto desta natureza.

5. Participação em iniciativas locais da Jornada Memória & Esperança

  • Por iniciativa de instituições da comunidade ou/e por iniciativa do agrupamento de escolas, algumas das atividades realizadas em 1 ou 2 podem integrar programações locais. As autarquias locais serão também sensibilizadas para a participação nesta jornada.

 

SUGESTÃO DE OPERACIONALIZAÇÃO

  • O Ministério, na abertura das atividades letivas, anuncia o interesse pedagógico e cívico da participação nesta Jornada, através dos meios que possui para contatar diretamente com as escolas;
  • A direção de cada agrupamento/escola aderente faz chegar a informação aos professores, com carater de urgência, acompanhada de um calendário; designa um coordenador e um grupo dinamizador e de acompanhamento.
  • O site da Jornada (www.memoriaeesperanca.pt) disponibilizará espaço para inscrever e registar o projeto/atividade de cada agrupamento/escola. Terá ainda outras sugestões de atividades.

Pela Comissão Promotora,

  • Alexandre Neves
  • Deolinda Machado
  • Helena Valentim
  • Manuel Pinto
  • Teresa Vasconcelos

10.09.2021

Famílias
Instituições Religiosas
Media
Saúde
Voluntariado